Diableries – A exibição 28/10/2019

O relato que se segue é feito de coração, partilhando para já em exclusivo com dois grupos de fãs dos Queen, aos quais me orgulho de pertencer. O Queen Portugal, e o Queen Brazil, no qual tenho vindo a ser colaborador assíduo, devido aos simpáticos convites que me são feitos com regularidade, pela Lady Taylor, uma verdadeira lenda no mundo de fãs de Queen.

A ocasião seria já por si interessante… a primeira exposição desde 1860… uma exposição de cartões estereoscópico, com imagens do submundo espiritual. Alguns dos cartões expostos são de 1825… e pertencem à coleção privada de alguém que nos é muito querido: Brian May. Esta sua paixão pelo tema, fez com que fosse lançado um livro, “Diableries , Stereoscopic Adventures in Hell”, o lançamento do livro decorreu no dia 28 de Outubro, em Londres dia em que decorreu também a exposição referida. Decidi pois deslocar-me a Londres nesse dia, fui o primeiro a chegar ao local, (oito da manhã) e não havendo ainda ninguém na fila (o início estava marcado para as onze da manhã ), fui tomar um caf;e e dar uma volta por Chinatown. Quando regressei estavam umas oito pessoas na fila, curiosamente uma Chinesa, uma Japonesa, um casal de Espanhóis, uma Lituana, duas Alemãs e uma Polaca… a pessoa mais nova tinha 20 anos, a menos jovem tinha 60 anos… todos os que ali estavam no momento… estavam para conseguir estar perto de Brian May. Estava frio, mas as nossas almas estavam quentes, fomos então conversando primeiro, trocando alguns contatos, e posteriormente fomos cantando alguns temas de Queen. A essa altura deveríamos ser uns 25 na fila, faltava ainda mais do que uma hora para o início da exposição de repente olho para o outro lado da rua … e vejo um sorridente Brian May, a chegar com o seu segurança e motorista, o Sr Phil. Apanhou-me de surpresa, pois não esperava que chegasse tão cedo, eram cerca de 09.55h. Os carros que pararam para lhe dar passagem, tinham motoristas boquiabertos ao verificarem quem estava passando!

Passada cerca de meia hora, regresso a sala principal da exposição a abarrotar de gente… uns dez minutos depois Brian desce de novo, e eu não me aproximei mais, respeitando o seu espaço e porque realmente a sala estava mesmo muito cheia. Vi-o sair novamente em direção a uma sala privada antes de sair da sala, ele pediu para quem já tinha visto a exposição, dar lugar a quem não tinha ainda tido essa possibilidade, que havia muita gente lá fora!

Confira mais algumas fotos exclusivas:

Quando sai verifico que deveriam de estar umas 300 pessoas do lado de fora à espera de entrar…

Foi um dia inesquecível… um dia que quase parece um sonho…

Fiz questão de partilhar este depoimento hoje, dia em que Bohemian Rhapsody completa 44 anos de lançamento.

Porque quando vivo situações destas… nunca estou certo sobre se…

“Is this the real life, is this just fantasy…”

-Nuno Custódio